Monday, October 06, 2008

Escutou com calma o que ela tinha a dizer, não sabia o que pensar e tão pouco gostaria pensar algo. Era como um padre em seu impessoal confessionário, fitava com firmeza seu soluço e temia não se conter, temia deixar lavar-se pelas lagrimas daquele passado. Ao que discorria suas momentâneas verdades ele se recordava das momentâneas mentiras e lamentava o sentimento que por si só aflorava em silencio, apesar de negar o podia prever. Eram mundos imundos de passados que não passaram, os quais retidos nas retinas denunciavam a dor, a mesma dor que os fazia se fitar com tanto afeto. Estavam sentados na sua cama de solteiro, num quarto bem diferente daquele que havia consentido tantas horas a fio de secretos amores incondicionais. Mas a condição havia mudado. O quarto havia sido limpado e a chuva já não era tão nostálgica como fora as lagrimas. Fitava com olhar perdido os raios de sol que atravessavam as fendas da janela, eles se cruzavam e formavam um desenho diferente no teto do quarto, com variações infinitas de combinações luminosas. Sorriu no fundo da alma e deixou transparecer no canto da boca. Ela parou de falar e o olhou com severidade, queria descobrir o que pensava naquele exato momento, naquele exato olhar, naquele exato sorriso. Era um olhar invasivo e desesperado, possessivo por instinto. Logo ele se voltou a ela e percebeu que ela não tinha notado a mudança no quarto, muito menos as luzes que cruzavam a janela como num caleidoscópio. Eles se fizeram silenciar. Alguns suspiros depois disse: “Foi um prazer...”

5 comments:

Emely said...

sempre intenso !

TEZ said...

É moreno,essa passagem do tempo...o movimento...a mudança ,para alguns não é perceptível.
Um sentimento de estranheza se apossa do meu ser qdo penso saber q daqui a pouco será passado.
loucurinhas man
Ah,já te falei q o modo do teu escrever me faz sentí-lo?
^^

RêRusso said...

Gosto do que vc escreve!
Gosto porque é verdadeiro, pq dói e pq tenho certeza q não faz sentido para os que não sabem (ou merecem) sentir o mesmo desta forma!
Lindo!!!
Bjos

Quel said...

e, sem medo, deixe que passe ....

a sensação de ter passado dá frios na barriga

Victor Meira said...

Um turbilhão de sentimentos distraídos, e uma personagem frustrada por conta do protagonista poeta, tudo contado pelos por esses olhos.

Coisa linda isso. E o final sustenta mistério, a respeito do dono da última frase.

Ótimo, ótimo.